Tag Archives: 2011

Começa a Jornada Nacional de Literatura em Passo Fundo

23 Ago

Começou nesta segunda-feira à noite, a 14ª Jornada Nacional de Literatura, com o tema “Leitura entre nós: redes, linguagens e mídias”.

A Jornada completa 30 anos em 2011, sendo realizada a cada dois anos em Passo Fundo/RS. A cidade, inclusive, recebe o título de capital nacional da literatura devido ao evento.

Em sua primeira noite, o espetáculo de abertura ficou por conta da Intrépida Trupe, com um número acrobático, seguido da apresentação da música tema da Jornada, “Sagração da Palavra” (vale a pena ler a letra aqui!), por Humberto Gessinger (vocalista da banda Engenheiros do Hawaii), escrita pelo próprio juntamente com Paulo Becker. Além, é claro, dos vários discursos das várias pessoas importantes para o evento e demais premiações (procure a imprensa oficial para mais detalhes!).

Humberto Gessinger canta música-tema da Jornada.

Esta é a quarta Jornada em que participo, incluindo aí uma pré-Jornada (feita junto às escolas da cidade) e em uma delas trabalhei, como estagiária, na rádio-poste do evento (fazendo entrevistas, colocando música, avisando das crianças perdidas…). Como não é novidade para mim, tenho edições anteriores para comparar.

Espetáculo de abertura da Intrépida Trupe.

O que me surpreendeu de cara foi a abertura bem fraquinha, “pobrezinha” mesmo. Lembro dos espetáculos anteriores cheios de brilhos e emoções, que faziam a plateia ficar de pé aplaudindo junto. As acrobacias no ar da Trupe eram legais, os profissionais estão de parabéns pela performance, mas faltou mais ousadia e até mesmo um figurino mais digno de um evento que se vende como o principal da Literatura na América Latina (algo noticiado toda hora, mas que tenho minhas sinceras dúvidas). A apresentação valeria para um intervalo entre atrações, mas para abertura, não estava tudo aquilo. Foi preciso entrar o Gessinger para dar uma animada e salvar o show. Mas também não durou muito, afinal a música é curta.

Exposição sobre almanaques no estande do Sesc na Feira do Livro. O legal é que é possível manusear alguns exemplares.

Além disso, o circo da cultura (uma lona de circo mesmo, onde ocorrem as atrações principais) estava cheio de goteiras; a feira do livro tinha muito mais estandes de empresas diversas do que de livros de fato; e havia outros problemas devido à falta de organização (e até de respeito para com os participantes) na entrega de crachás e saída das pessoas.

Espaço da Turma da Mônica na feira do Livro onde as crianças podem brincar.

Mas, enfim, foi o primeiro dia, ou melhor, noite, e o que importa são as discussões que virão pela frente. Estas espero que sejam bem instigantes!

Participantes tiveram que esperar (num frio de 9ºC!) a liberação (de quem não sei!) para poder ir embora. No tédio, as garotas e garoto (esq.) ainda posaram para esta foto.

(Todas as fotos podem ser visualizadas em melhor qualidade aqui)

Anúncios

Fãs e cultura pop japonesa na Intercom 2011

17 Ago

Este ano me chamou a atenção o volume de artigos sobre fãs e cultura pop japonesa na Intercom, congresso de Comunicação que acontece em Recife, de 2 a 6 de setembro.

Ontem relacionei no blog Bibliografia de pesquisas sobre fãs e fandoms os trabalhos sobre fãs, além de relacionados ao mundo pop, geek e nerd, então confira a lista aqui.

A seguir os trabalhos envolvendo cultura pop japonesa:

Ficção televisual japonesa de longa duração: um pouco de tudo, mas diferente de todos

MISAKI TANAKA (UFPB)

Entre os programas televisuais do Japão, há um ficcional de duas horas de duração, que tem as mulheres casadas com idade acima de 40 anos como público primário, considerado uma das marcas das produções televisuais daquele pais. Este trabalho destaca alguns aspectos que se repetem em todos os programas desse gênero, como o esquema básico e o uso dos planos, apontando as suas características e diferenciais em relação a outros ficcionais. (DIA 6 | 9h – 10h45 | Local: Bloco G4 | Sala 002)

Produção independente e reprodução subalterna de mangá na cibercultura

Tatiane Hirata (UFMT), Yuji Gushiken (UFMT)

As histórias em quadrinhos japonesas – chamadas de mangás – e sua contraparte independente, chamada de doujinshi, possuem, além da circulação oficial em forma de revistas impressas ou conteúdo digital pago, uma circulação digital e não licenciada engendrada pelos próprios fãs. Reunidos sob a prática do scanlation (digitalização e tradução), os fãs espalhados pelo mundo reinventam os processos de re-produção, circulação e consumo de mangá neste período marcado pelos processos de convergência midiática e demandas por formas sempre renovadas de rituais de sociabilidade no anonimato urbano. Relata ainda os modos como no capitalismo a produção de valor simbólico tende a torna-se produção de valor econômico na medida em que práticas midiáticas ditas ilegais tornam-se normativamente em trabalho. Este artigo se constitui na perspectiva dos estudos da comunicação como ciência da cultura. (DIA 6 | 9h – 12h | Local: Bloco G | Sala 509)

Mangá, anime e violência: o bullying e a cultura pop japonesa.  

Fernando Rizzaro de Almeida (ICICT Fiocruz)

O objetivo deste trabalho é analisar a violência contra crianças e adolescentes, em especial sob a forma de bullying e a possível relação existente entre violência e o consumo de produtos da cultura pop japonesa. Na primeira seção, é feita a definição de violência sob diversos prismas, em especial Etienne Krug (representando a OMS) e Anthony Arblaster. A segunda seção abarca a definição de mangá e anime segundo Cristiane Sato e Scott McCloud, suas características e relação com violência. A terceira, e última, seção discute as implicações da cultura pop japonesa na sociedade hodierna. (DIA 6 | 9h – 12h | Local: Bloco G | Sala 607)

Mangá: Moderna Tradição da Comunicação por Imagens

Taís Marie Ueta (UFMT), Yuji Gushiken (UFMT)

O mangá (quadrinhos japoneses) é um dos produtos da cultura pop japonesa mais difundidos e consumidos entre jovens e adultos, particularmente ao final do século XX, para além das fronteiras japonesas. Neste artigo, narra-se a trajetória do mangá para atingir o status de fenômeno global. Em seguida, pontua-se a caracterização visual do mangá, que evoca uma já histórica dimensão imagética dos processos comunicacionais na cultura japonesa, o que inclui a tradição da escrita. Também é abordada a hipótese de como o sucesso dos quadrinhos japoneses tem relações diretas com a demanda por imagens característica da contemporaneidade. O artigo é escrito na perspectiva teórica da comunicação como ciência da cultura. (DIA 6 | 14h – 18h | Local: Bloco G | Sala 509)

Na Intercom Júnior, infelizmente, não são disponibilizados os resumos:

Os fãs e os Doramas: a cultura participativa no processo de difusão e colaboração no ciberespaço

Andreza Jackson de VASCONCELOS (Universidade Federal do Pará)

(4 de setembro | 9h – 12h | BLOCO B – SALA 503)

Uma análise das estratégias comunicacionais utilizadas durante o jogo “Pokémon”

Irina Coelho MONTE (Universidade Federal do Piauí)

(6 de setembro | 9h – 12h | BLOCO B – SALA 503)

O seguinte, apesar de não ser especificamente sobre, traz em seu título referência à cultura pop japonesa:

Olha a roupa de pokebola da Fátima Bernardes: significações do figurino telejornalístico através dos comentários do twitter

Agda Patrícia Pontes de Aquino (UFPB)

Este trabalho busca na rede social twitter uma forma de observar a nova relação disposta entre os espectadores e os conteúdos televisuais, em especial o telejornal. Comentários e apontamentos que antes poderiam ficar restritos ao ambiente familiar, individual ou de grupos específicos, agora passam a ser difundidos e massificados, além de colaborarem com a movimentação de públicos que transitam entre a Internet e a televisão convencional. O figurino dos apresentadores do Jornal Nacional, da Rede Globo, serve de ilustração para colaborar no entendimento do novo papel que os jornalistas de TV assumem na sociedade contemporânea. Através dos comentários do twitter identificamos a multiplicidade de significações que o público pode produzir com relação a esses conteúdos imagéticos, além de apontar para um novo entendimento do papel do figurino na composição da imagem do profissional de TV. (DIA 6 | 9h – 12h | Local: Bloco G | Sala 509)

A lista completa dos trabalhos pode ser acessada aqui.

Agora é esperar disponibilizarem os artigos para que possamos lê-los! 

%d bloggers like this: