Curso gratuito Uma História do Cinema na Cinemateca Brasileira

6 Set

Gente, recebi o release abaixo e é uma pena não morar em São Paulo, porque pra quem curte cinema um curso desses e ainda de graça… quem não quer fazer?!

Curso Uma História do Cinema na Cinemateca Brasileira

11 de setembro a 16 de outubro de 2012

CURSO LIVRE E GRATUITO em parceria com o Departamento de Cinema, Rádio e Televisão da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo

.Aulas às terças-feiras, às 19h00.

As inscrições devem ser feitas pessoalmente na bilheteria da Sala Cinemateca Petrobras a partir do dia 05 de setembro, de terça a domingo, das 15h00 às 21h00. É necessário preencher uma ficha com seus dados pessoais. 100 vagas

As aulas serão ministradas pelos professores Carlos Augusto Calil, Eduardo Morettin, Arlindo Machado, Henri Gervaiseau, Ismail Xavier e Esther Hamburger, da Escola de Comunicações e Artes da USP.

módulo 29
O CINEMA NA TV

O aparelho de televisão – ou, literalmente, “visão à distância” – é uma das invenções que revolucionaram as concepções de tempo e espaço entre o final do século XIX e o início do século XX. As pesquisas que deram origem à televisão se confundem com as pesquisas que resultaram na invenção do telefone, da fotografia, do cinema e do rádio. Malgrado a associação original dessas invenções com uma noção ampla de modernidade, os estudos do cinema e da televisão permaneceram, até recentemente, separados. A história dos dois meios está, no entanto, imbricada uma na outra, em relações de oposição ou de complementaridade. O tamanho da tela de televisão foi definido como versão reduzida da tela de cinema. Para não se confundir com o novo meio e supostamente para fugir à competição, o cinema modificou seu formato do original quadrado para o atual retângulo. Em diversos países, emissoras de televisão financiaram realizações fílmicas, exibidas em salas de cinema e na telinha. A convergência digital cada vez mais confunde os dois meios.

Além das afinidades e diferenças tecnológicas e de estrutura institucional, recentemente a constituição de acervos públicos de televisão permite a apreciação de relações estéticas entre os dois meios. O acesso a programações que depois de irem ao ar caíram no esquecimento promete inspirar novas interpretações sobre a história dos meios provocando possivelmente revisões das noções estabelecidas na área.

Neste 29º módulo do curso UMA HISTÓRIA DO CINEMA NA CINEMATECA BRASILEIRA, intitulado O CINEMA NA TV, serão exploradas as relações entre cinema e televisão no trabalho de alguns cineastas do Brasil, Japão, Alemanha, Inglaterra, Estados Unidos e Itália, conhecidos também por suas realizações para a televisão. Cada uma das aulas será ministrada por um professor do Departamento de Cinema, Rádio e Televisão da Escola de Comunicações e Artes da USP, que abordará um trabalho (ou um conjunto de trabalhos) realizado para televisão por um célebre diretor de cinema, como Alfred Hitchcock, Eduardo Coutinho e Takeshi Kitano. Dessa forma, será oferecido aos participantes do curso um mosaico que promete explorar as fronteiras do conhecimento na área e as imbricações entre as linguagens cinematográficas e televisivas.

Serviço

CURSO UMA HISTÓRIA DO CINEMA NA CINEMATECA BRASILEIRA
Módulo 29 – O CINEMA NA TV
11 de setembro a 09 de outubro de 2012
terças, 19h00
Inscrições gratuitas
100 vagas

CINEMATECA BRASILEIRA
Largo Senador Raul Cardoso, 207
próximo ao Metrô Vila Mariana
Outras informações: (11) 3512-6111 (ramal 215)
www.cinemateca.gov.br

PROGRAMAÇÃO

11.09 | TERÇA

SALA CINEMATECA PETROBRAS

19h00

EDUARDO MORETTIN discute a forma como a decupagem constrói o efeito de suspense (expectativa, retardamento, tensão) a partir do filme Um corpo que cai, de Alfred Hitchcock, e do primeiro episódio do seriado televisivo Alfred Hitchcock presents.

ALFRED HITCHCOCK PRESENTS: REVENGE
de Alfred Hitchcock
EUA, 1955, 35mm, pb, 26’ | Legendas em espanhol | Exibição em DVD
Ralph Meeker, Vera Miles, Frances Bavier, Ray Montgomery
Após sofrer um colapso nervoso, mulher se muda com o marido para um parque de trailers na Califórnia. Já adaptada ao calmo modo de vida do local, é subitamente agredida por um desconhecido. Primeiro episódio da série televisiva concebida por Hitchcock, que foi ao ar entre 1955 a 1962.

UM CORPO QUE CAI (Vertigo)
de Alfred Hitchcock
EUA, 1958, 35mm, cor, 128’ | Legendas em português | Exibição em DVD
James Stewart, Kim Novak, Barbara Bel Geddes, Tom Helmore
Detetive com fobia de altura é contratado para seguir uma mulher com tendências suicidas. Após resgatá-la de uma queda, fica obcecado por sua imagem.

18.09 | TERÇA

SALA CINEMATECA PETROBRAS

19h00

ARLINDO MACHADO. Takeshi Kitano, diretor de clássicos recentes do cinema japonês, reconhecido pela crítica como o autor que resgatou o prestígio desse cinema depois de muitos anos de decadência, e que elevou o gênero yazuka eiga (filmes violentos sobre a máfia japonesa) à categoria de grande arte, é também um hilariante cômico de televisão, mais conhecido no Japão como “Beat” Takeshi. Kitano tem uma visão do cinema e da televisão como duas entidades opostas e essa perspectiva radical pode nos ajudar a lançar alguma luz sobre a difícil comparação entre os dois meios.

BEAT TAKESHI SELECTION
Japão, 1985-1996, cor, 90’ | Legendas em português | Exibição em DVD
Seleção de esquetes televisivos da série O programa que dá ânimo!, estrelada pelo ator e cineasta Takeshi Kitano no início de sua carreira.

SALA CINEMATECA PETROBRAS

19h00

HENRI GERVAISEAU. História(s) do cinema é uma série videográfica dividida em quatro capítulos, cada um composto por dois episódios. Foi produzida pelo Canal +, com a colaboração da empresa Gaumont. Para além do prestígio de Jean-Luc Godard, a dimensão serial do projeto facilitou a adesão do Canal + ao projeto. Nesta série, o objetivo central de Godard é o de instituir, simultaneamente, uma memória da história do cinema e uma “lenda do século”, produzindo um conjunto de ensaios audiovisuais que traduzam a passagem do tempo, relacionando continuamente seu discurso às práticas e dispositivos técnicos próprios à sétima arte. O estabelecimento de um tecido de relações entre a história do século XX, a história do cinema e a do sujeito enunciador constituiu a base do projeto de História(s) do cinema.

História(s) do cinema (Histoire(s) du cinéma), de Jean-Luc Godard
França/Suíça, 1988-1998, vídeo, cor/pb, 266’ | Legendas em português | Exibição em DVD
Reflexão videográfica propondo novas historiografias do cinema. Godard combina antigos filmes, seus próprios filmes, pintura, fotografia, trilhas-sonoras, jazz, música clássica e pop, intertítulos, subtítulos, voz over, criando um ensaio sobre o século XX. Serão exibidos alguns episódios da série.

02.10 | TERÇA

SALA CINEMATECA PETROBRAS

19h00

ISMAIL XAVIER. Realizado no final da década de 1990, o documentário Notícias de uma guerra particular, de João Moreira Salles e Kátia Lund, é uma das principais obras do cinema brasileiro contemporâneo, tendo influenciado uma série de filmes que trataram da questão do tráfico de drogas e da violência nas favelas do Rio. Com sua estrutura pautada na divisão tripartite dos poderes e dos pontos de vista – dos moradores, dos traficantes e da polícia –reúne imagens e entrevistas que elucidam aspectos fundamentais do problema social e político aí implicado.

NOTÍCIAS DE UMA GUERRA PARTICULAR
de João Moreira Salles e Kátia Lund
Rio de Janeiro, 1999, vídeo, cor, 57’ | Exibição em Beta analógica
Marco do documentário brasileiros nos anos 1990, trata da violência do tráfico no Rio de Janeiro a partir do cotidiano de moradores, traficantes e policiais que transitam pelo morro Santa Marta. O filme é resultado é resultado de dois anos de entrevistas com pessoas ligadas diretamente ao tráfico de drogas. Prêmio de Melhor documentário na Competição Brasileira do festival É tudo verdade de 2000.

09.10 | TERÇA

SALA CINEMATECA PETROBRAS

19h00

ESTHER HAMBURGER. Entre 1975 e 1984, Coutinho fez parte da equipe da primeira fase do programa Globo Repórter. Durante esses anos de prática intensa, foi redator, editor e diretor. Dirigiu seis filmes em 16mm, quatro deles no Nordeste. Theodorico, imperador do sertão é um dos documentários dessa fase. Nele o diretor ensaia a arte da conversa, instrumento de um cinema que se estrutura em torno da interação entre diretor-entrevistador e entrevistado-performer. Durante esse período, Coutinho também retomou e finalizou Cabra marcado para morrer (1984), uma complexa reflexão sobre o cinema e os 20 anos de história que separam o início das filmagens na Paraíba imediatamente antes do golpe militar de 1964 e a finalização do filme no imediato pós-anistia. Como a experiência de Eduardo Coutinho na televisão alterou o seu cinema?

THEODORICO, IMPERADOR DO SERTÃO
de Eduardo Coutinho
Rio de Janeiro, 1978, 16mm, cor, 50’ | Exibição em DVD
Retrato de Theodoro Bezerra, membro da elite rural brasileira. Fazendeiro e político desde os anos 1940, foi eleito deputado estadual pelo Rio Grande do Norte em 1978. Theodoro Bezerra concentra em si as características típicas de um líder populista – é machista, elitista e faz uso do dinheiro público em causa própria.

04.09 | TERÇA

SALA CINEMATECA PETROBRAS

19h00

CARLOS AUGUSTO CALIL. Uma aventura aos 40, do pediatra, ator, dramaturgo, produtor e apresentador de televisão Silveira Sampaio (1914-1964), é uma comédia de formação, sobre um médico que está completando 70 anos em 1975 e é homenageado em um programa de televisão. O estilo elegantemente crítico do autor permite a ele abordar os temas de nossa vida social, sob um prisma afetivo, e traçar um painel melancólico do profissional liberal da classe média carioca, no pós-guerra. Instado a projetar a televisão de 1975, Silveira Sampaio a imagina como extensão natural do rádio, numa dimensão interativa.

UMA AVENTURA AOS 40
de Silveira Sampaio
Rio de Janeiro, 1947, 35mm, pb, 77’
Flávio Cordeiro, Silveira Sampaio, Nilza Soutin, Ana Lucia
Durante um programa de televisão, famoso psiquiatra revela episódios não-oficiais de sua vida: as diabruras da infância, a ascensão casual na profissão, o casamento por conveniência e sua maior aventura, um caso de adultério com uma bela jovem. Enquanto isso, o interlocutor do programa, contrariado, insiste em rememorar a face politicamente correta de sua trajetória.

BIBLIOGRAFIA

ALLEN, Richard & ISHII-GONZALES, Sam (eds). Hitchcock: past and future. London, Routledge, 2004.

ARAÚJO, Inácio. Hitchcock. São Paulo, Brasiliense, 1982.

AUMONT, Jacques & MARIE, Michel. Dicionário teórico e crítico de cinema. Campinas: Papirus Editora, 2003.

AUMONT, Jacques: Amnésies. Fictions du cinéma d’après Jean-Luc Godard. Paris: P.O.L., 1999.

BARR, Charles. Vertigo. London: British Film Institute, 2002.

BAZIN, André. O cinema: ensaios. São Paulo: Brasiliense, 1991.

_____,_____. A política dos autores. Lisboa: Assiro & Alvim, 1976.

_____,_____. O cinema da crueldade. São Paulo: Martins, 1989.

BENTES, Ivana. “Videoclipe, cinema e política”. Admirável Mundo MTV Brasil. São Paulo: Saraiva, 2006, pp. 175-181

BERNARDET, Jean-Claude. “A TV não funciona”. Historiografia clássica do cinema brasileiro. São Paulo: Annablume, 1995, pp. 173-203

___________,_________. Cineastas e imagens do povo. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

BOGDANOVICH, Peter. Afinal, quem faz os filmes. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

BORDWELL, David, STAIGER, Janet & THOMPSON, Kristin. El cine clasico de Hollywood –estilo cinematografico y modo de produccion hasta 1960. Barcelona: Paidos/Bereia, 1997.

BUTCHER, Pedro. Cinema brasileiro hoje. São Paulo: Publifolha, 2005.

CALIL, Carlos Augusto. “Cinema e indústria”. O cinema do século. XAVIER, Ismail (org.). Rio de Janeiro: Imago, 1996, pp. 45-70

CARLOS, Cássio Starling. Em tempo real: Lost, 24 horas, Sex and the city e o impacto das novas séries de TV. São Paulo: Alameda, 2006.

CHARNEY, Leo & SCHWARZ Vanessa R (orgs.). O cinema e a invenção da vida moderna. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

DETUTELBAUM, Marshall & POAGUE, Leland (eds.). A Hitchcock reader. Ames: Iowa State University Press, 1986.

DUBOIS, Philippe. Cinema, vídeo, Godard. São Paulo, Cosac Naify, 2004.

LSAESSER, Thomas, SIMON, Ian & LUCETTE, Bronk (eds.) Writing for the medium: television in transition. Amsterdam: University of Amsterdam Press, 1994.

GERVAISEAU, Henri. “História de uma memória. Histoire (s) du cinéma de Jean-Luc Godard”. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, 2001, pp.185-190

___________, ____. O abrigo do tempo. Abordagens cinematográficas da passagem do tempo e do movimento da vida dos homens. São Paulo: Alameda, 2012.

Gledhill, C. (ed.). Home is where the heart is – studies in melodrama and the woman’s film. London: British Film Institute, 1987.

GODARD, Jean-Luc. Introdução a uma verdadeira história do cinema. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

GUNNING, Tom. “The cinema of atraction: early film, its spectator and the avant-guard”. Wide Angle Fall, 1986 pp. 63-70

HAMBURGER, Esther. “Expressões fílmicas da violência urbana contemporânea: Cidade de Deus, Notícias de uma guerra particular e Falcão, meninos do tráfico”. In: Revista Antropologia, volume 51, n.2, São Paulo, 2008.

HANSEN, Miriam. “Unstable mixtures, dilated spheres: Negt and Kluge’s. The public sphere and experience, twenty years later”. In: Public Culture, volume 5, 1993, pp. 179-212

_______, ______. “The mass production of the senses: classical cinema as vernacular modernism”. In: Modernism/Modernity 6(2), 1999, pp. 59-77

Huyssen, Andreas. After the great divide: modernism, mass culture, post-modernism. Bloomington: Indiana University Press, 1986.

JOYRICH, Lynne. “All that television allows: TV melodrama, postmodernism and the consumer culture”. In: Lynne Spigel & Denise Mann (orgs.). Private screenings: television and the female consumer. Minnesota: University of Minnesota Press, 1992, pp. 227-252

KACKMAN, Michael; BINFIELD, Marnie; THOMAS PAYNE, Matthew; PERLMAN, Allison; SEBOK, Bryan (orgs.). Flow TV: television in the Age of media convergence. New York: Routledge, 2011.

KORNIS, Mônica Almeida. “Cidade dos Homens e Falcão, meninos do tráfico: sobre as representações televisivas da realidade brasileira”. In: GOMES, A. C. (org.). Direitos e cidadania, Rio de Janeiro: Editora da FGV, 2007.

LINS, Consuelo. O documentário de Eduardo Coutinho: cinema, televisão, vídeo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2004.

LINS, Consuelo & MESQUITA, Cláudia. Filmar o real: sobre o documentário brasileiro contemporâneo. Rio de janeiro, Jorge Zahar Editor, 2008.

MACHADO, Arlindo. Pré-cinemas e pós-cinemas. São Paulo, Papirus, 2002.

_______,______. A TV levada a sério. São Paulo: Editora SENAC, 2000.

MASCARELLO, Fernando (org.). História do cinema mundial. Campinas: Papirus, 2006.

MATTOS, Carlos Alberto. Eduardo Coutinho, o homem que caiu na real. Lisboa: Festival de Cinema Luso-Brasileiro de Santa Maria da Feira, 2003.

MOREIRA, Roberto. “Vendo a televisão a partir do cinema”. In: A TV aos 50. BUCCI, Eugênio. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2000, pp. 49-64

MULVEY, Laura. “Visual pleasure and narrative cinema”. In: Screen, volume 16, n. 3, 1975, pp. 6-18

NEALE, Steve. Genre and Hollywood. London: Routledge, 1999.

RAMOS, Fernão Pessoa. Mas afinal… o que é mesmo documentário?. São Paulo: Editora SENAC, 2008.

Revista Cinemais (especial documentário), n.36, out-dez, 2003.

ROSSELLINI, Roberto. La télévision comme utopie. APRA, Adriano (org.). Paris: Cahiers du Cinema, 2006.

SARRIS, Andrew. The american cinema. Directors and directions 1929 – 1968. New York: E. P. Dutton, 1968.

SHATZ, Thomas. Hollywood genre: formulas, filmmaking and the studio system. New York: Random House, 1981.

TEIXEIRA, F. E. (org.). Documentário no Brasil. Tradição e transformação. São Paulo: Summus, 2004.

TRUFFAUT, François. Hitchcock Truffaut: entrevistas. São Paulo: Brasiliense, 1986.

WOOD, Robin. Hitchcock’s films revisited. New York: Columbia University Press, 1989.

XAVIER, Ismail. O discurso cinematográfico: a opacidade e a transparência. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

_______,_____. O olhar e a cena: melodrama, Hollywood, Cinema Novo, Nelson Rodrigues. São Paulo, Cosac Naify, 2003

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: