Sobre a FSN Conference e eventos acadêmicos sobre fãs

8 Nov

Nesta sexta, o grupo de pesquisa CultPop da Unisinos, do qual pertenço, vai realizar o encontro “15 anos de Estudos de Fãs no Brasil”. Pensando na data e refletindo sobre essa área no nosso país, resolvi fazer um resumo breve sobre a nossa participação num dos mais importantes eventos internacionais de estudos de fãs.

15 anos

Vale ressaltar que essa área é muito nova ainda. Os estudos de fãs, propriamente dito, podem ser datados a partir dos anos 1980 no cenário internacional, sendo a década seguinte mais marcada como inicial, com obras como “Invasores de textos” (“Textual Poachers”) de Henry Jenkins. No Brasil, entretanto, apenas no começo dos anos 2000 surgem as primeiras pesquisas focadas realmente em fãs (não em audiências, leitores, ouvintes…) e com preocupação em teorizar e buscar uma metodologia para estudá-los. A primeira tese que temos, para se ter noção, é do Dr. Bruno Campanella, defendida em 2010, intitulada “Perspectivas do cotidiano: um estudo sobre os fãs do programa Big Brother Brasil”, a qual inclusive recebeu o prêmio Compós de melhor tese aquele ano.

Nos últimos anos, tenho acompanhado um maior desenvolvimento desses estudos, porém, ainda há dificuldade de acesso de bibliografia, de momentos para discussão entre colegas e mesmo termos um espaço próprio para discussão, seja em eventos específicos, ou mesmo em GTs dentro de eventos já estabelecidos (o que espero que mude no futuro!). Na minha experiência, como alguém que vem estudando fãs desde 2010, chega a ser até normal eu ter que explicar o que é fã para as pessoas (e refiro-me aqui a acadêmicos mesmo), porque poucos entendem quando digo que estudo fãs, mostrando a falta de reconhecimento dessas pesquisas. A pergunta que quase sempre segue é “o que é fã?” ou “como assim ‘fãs’?”. Então, ao invés de explicar minha pesquisa, geralmente, tenho que explicar primeiro o que é um fã para as pessoas. Por isso estou muito orgulhosa pela iniciativa da minha orientadora, Dra. Adriana Amaral, por este evento na sexta, além de estar muito feliz de estar na organização e em um painel junto com meus colegas: o doutorando Eloy Vieira e a mestranda Larissa Becko.  

Essa introdução toda se faz necessária para eu poder resumir o que é participar de uma conferência como a promovida pela Fan Studies Network. Primeiro, porque dá vontade de chorar de emoção de ver tanta gente reunida, de tantos países, para falar sobre fãs! Com tantas pesquisas diferentes, seja pelos temas como pelas abordagens teórico-metodológicas, com os principais teóricos presentes entre a gente (ou como escuto dos colegas: nossa bibliografia ambulante!), não dá para não amar essa conferência! Eu tive a oportunidade de participar em dois anos consecutivos (2016 e 2017), e não posso deixar de ressaltar como foi importante para mim ter estado lá e agradecer aos organizadores pela iniciativa e pelo belo trabalho que fazem (porque não vi nada de contratempo ou desinteressante nas duas edições).

No primeiro ano que fui, eu estava mais tímida com meu inglês nunca antes posto à prova para conversação com nativos da língua inglesa mesmo (até o momento, minhas primeiras viagens ao exterior se devem ao FSN para ir à conferência) e acabei não conversando tanto com os colegas de outros países. Em 2016, tive o prazer de fazer parte da mesa temática “Pls come to Brazil: Fan Studies and transcultural perspectives on brazilian digital fandoms and haters” com a doutoranda Camila Monteiro, Dra. Simone Pereira de Sá e Dra. Adriana Amaral.

pls-come-to-br.jpg

Painelistas do “Pls come to Brazil” no FSN Conference 2016. Detalhe atrás: a fachada do prédio da East Anglia University, em Norwich, onde aconteceu o evento, foi utilizada para os filmes dos Vingadores como seu quartel general.

Nela, apresentei uma pesquisa que trazia as indagações para a reformulação do meu projeto de tese. O título é “Transcultural fandom: fans and industry in Brazilian Whovians”. E foi ali que comecei a indagar sobre a relação entre indústrias e fãs, chegando ao fandom de romances femininos e sua relação com as editoras brasileiras, foco da minha pesquisa para o doutorado.

Este ano apresentei parte da minha tese com minha orientadora, Dra. Adriana Amaral (que infelizmente não pôde ir pessoalmente), com o trabalho “Fans, objects and book identities: understanding romance novel fans in the South of Brazil”.

fsn 2017

Entre o material que recebemos na edição de 2017 estava este leque. Vale lembrar que em inglês a palavra é a mesma para fãs e leque: “fan”.

Além de ter sido para mim muito importante essa apresentação, o evento foi especial por mais dois motivos: a Fan Studies Network Conference estava comemorando 5 anos de existência e a Universidade de Huddersfield, onde se realizou a edição, anunciou que está abrindo o primeiro programa de mestrado e doutorado em estudo de fãs. Até onde sei é a primeira pós-graduação focada em fãs no ocidente, o que é um grande motivo para comemorar, assim como o aniversário da conferência.

Além da ótima organização do evento, marcou-me muito a possibilidade de trocar experiências com pesquisadores de diferentes países. Em dado momento, por exemplo, lembro-me de estar sentada numa mesa conversando com uma indiana e uma russa sobre nossas pesquisas e visões sobre as teorias de fãs, que possuem uma forte perspectiva europeia e americana.

Acho bacana também salientar e parabenizar a participação da colega Camila Monteiro, atualmente doutoranda em Huddersfield, que compôs a organização da edição de 2017, além de ter participado em outras edições. Além de destacar a apresentação do professor na UFPE, Dr. Thiago Soares, trazendo mais exemplos da América Latina, através da realidade dos fãs da Madonna em Cuba em ““Madonna, warrior like Cuba”: Political Affections of Madonna’s Fans in Cuban contexto” (escrito com Mariana Lins, que infelizmente não pode participar). 

Thiago

Prof. Dr. Thiago Soares na FSN Conference 2017 junto com outras pesquisadoras.

Ao final da FSN Conference de 2017, Matt Hills palestrou sobre os últimos 5 anos dos estudos de fãs. Em resumo, afirmou a consolidação da área, explicando como algumas práticas de fãs pesquisadas aumentaram enquanto outras foram mais marginalizadas. Principalmente no que tange as questões de pirataria, gênero e etnia e classe, sendo estas duas últimas mais escassas nas pesquisas. Destacou que a pesquisa qualitativa é ainda bastante dominante, mas que a mineração de dados (“data mining”) está surgindo como uma nova metodologia (embora questione se grandes audiências, em pesquisas como sobre a Netflix, todos possam ser considerados fãs), além de dizer que novos modelos de estudos de fãs estão sendo construídos com políticas culturais variantes. E por fim, chamou a atenção que anteriormente pensava-se as comunidades de fãs como específicas e interpretativas, enquanto hoje há uma “fanização” (“fanization”), o que não necessariamente representa uma comunidade de fãs singular ou única, mas uma variedade de grupos com atividades interindependentes.

As chamadas não abriram ainda para a edição de 2018, mas fique atento no site, se você se interessar. Outra boa notícia é que agora teremos também uma edição do evento em nosso continente! A primeira edição da FSN North America Conference acontecerá em outubro de 2018 na DePaul University, em Chicago, nos Estados Unidos. As chamadas já estão abertas aqui.

Agora é sonhar com uma versão latina pra gente! Mas enquanto isso não se torna realidade, acompanhe nosso evento na sexta! Vai ter streaming ao vivo! É só colar no Facebook do grupo aqui.

 

 

Anúncios

Eventos literários em julho/16

1 Jul

02 de julho – Lançamento do livro: O Despertar do Lírios, de Babi A. Sette

O encontro acontece na livraria Cultura do shopping Bourbon Country, às 15 horas.

A autora estará presente e haverá sorteio de muitos brindes legais, como os da foto abaixo.

Quem quiser mais informações, é só acessar a página do evento em:

https://www.facebook.com/events/618820224937352/?ti=icl

23 de julho – Sacudindo a Literatura: vamos falar de thrillers? 

Informações: https://www.facebook.com/events/234854976895659/?ti=icl

(Assim que voltar de viagem eu escrevo melhor essa agenda, mas o aviso está dado para ninguém ficar desinformado e já ir se programando!)

Eventos literários em junho|16

13 Jun

Bom, como alguns me pediram, vou começar a divulgar aqui no blog os encontros envolvendo livros, autores, editoras e afins desse mundo literário que estão acontecendo aqui em Porto Alegre. Não estranhe se alguns são mais voltados à cultura pop, e você só conhecia pelo filme, porque é mais comum do que parece.

Este mês, junho, já aconteceram alguns, como o encontro sobre o autor David Levithan e o Mochilão da Record, mas ainda dá tempo pra ir em outros, para quem se interessar:

Continuar a ler

Mochilão Record 2016 – PoA

9 Jun

No último domingo, 5 de junho, aconteceu na livraria Cultura do shopping Bourbon Country, em Porto Alegre, o Mochilão Record. O evento que acontece em várias capitais do Brasil tem esse nome, pois os organizadores pedem para levar mochila porque os participantes ganham muitos livros de brinde, além dos sorteios e descontos acontecendo na livraria com os títulos da editora. Eu só ganhei o que está na foto abaixo, mas muitos saíram de lá com mais livros e duas sortudas ganharam “cheque-livros” no valor de 250 reais cada.

Continuar a ler

Como uma fênix…

6 Jun

É, pessoal, eu deixei esse blog meio abandonado pelos últimos anos. A única coisa que ainda postava era na página de Produções Acadêmicas, na qual fui atualizando meus artigos. 

Por um lado, esse abandono foi resultado do meu afastamento das redes sociais. Tinha uma época em que ficava direto no Facebook, Twitter e outras que nem estão mais por aí. E mesmo esses foram mudando e se transformando de forma que fui desapegando mesmo. Twitter é um exemplo. Ainda estou lá, mas não utilizo tanto. O Facebook é o que mais mantenho, mas posso passar dias sem acessar. Fora isso, outras obrigações e mudanças de cidades me fizeram concentrar em outras coisas. Afinal, fazer blog, escrever para a internet não é tão simples assim. É um trabalho que muitos seguem por hobby, por gostar. E em algum momento isso foi perdendo a graça pra mim.

Entretanto, estou querendo voltar a escrever aqui no blog há algum tempo. Desde que entrei no Doutorado ano passado (2015), estou querendo escrever sobre questões acadêmicas e sobre o mundo pop em que vivo. Mas, até me acostumar com o volume de leituras e trabalhos, fora outros problemas que tive como de saúde, lá se foi quase 1 ano e meio só no ‘querer’.

No último mês, ao me rodear de pessoas que estão blogando e que compartilham de gostos como eu, essa vontade de voltar foi crescendo mais ainda. Um motivo é que acho que tenho coisas para falar que possam ser interessantes para outros (o que não estava achando antes também), de experiências que possam ser significativas de serem externadas e, mais que isso, de falar sobre coisas que talvez nem todos conheçam. 

Mas, o que esperar do blog agora? Nos próximos meses pretendo escrever sobre a vida acadêmica (o que não é exatamente novidade, mas pela perspectiva de uma doutoranda, sim), escrever sobre leituras que estou fazendo e minha pesquisa, a qual leva para outro ponto. Também irei escrever sobre o fandom literário no Brasil, principalmente a partir do que estou presenciando aqui em Porto Alegre, através de encontros promovidos pelos fãs-leitores-blogueiros e editoras. Quem me acompanha pelo Facebook já deve ter visto algo, mas decidi vir aqui escrever mais sobre isso porque é um universo maravilhoso e nem todos conhecem. Eu mesma, enquanto fã, só fui descobrir recentemente. Então, preparem-se, porque nas próximas semanas, meses vou estar postando aqui sobre tudo isso e um pouco mais, seja como pesquisadora, seja como fã. 

A fênix está renascendo e espero que vocês gostem desse novo voo. Afinal, a gente nunca sabe quando ela volta a morrer! Hahahahaha! 😉

Das pinturas rupestres de Lascaux: uma viagem pelo universo dos quadrinhos

8 Set

Após muito tempo de espera, é com muito orgulho que apresento para vocês essa obra sobre Histórias em Quadrinhos, na qual contribuo com um artigo em coautoria com a profa. Dra. Adriana Amaral. Nele discutimos a questão do “mangá brasileiro”, ou HQs brasileiras “em estilo mangá”, através da Turma da Mônica Jovem, de Mauricio de Sousa.

Quem tiver interesse em adquirir a obra é só entrar no site aqui.

 

Das pinturas rupestres de Lascaux

Sumário
7 Apresentação

14 Caracterizando o “estilo mangá” no contexto brasileiro: hibridização cultural na Turma da Mônica Jovem
Adriana Amaral e Giovana S. Carlos

35 Um breve olhar teórico sobre histórias em quadrinhos
Álvaro Hattnher

48 Krazy Kat, de George Herriman – o que aquilo significa?
Antonio Vicente Seraphim Pietroforte

66 Quadrinhos em The Big Bang Theory: a construção de um imaginário nerd
Arnaldo Pinheiro Mont’Alvão Júnior

75 Tiras da Mafalda: um estudo enunciativo
Daniela Raffo Scherer

98 Histórias em Quadrinhos Poético-filosóficas inspiradas por perspectivas Pós-humanas
Edgar Franco

120 A quinta história: três versões de As metamorfoses
Edgar Cézar Nolasco

137 O caso Superman/Matrix: uma Experiência Transmídia de Fronteira
Fábio Fernandes

152 Vida em quadrinhos: uma análise autobiográfica de O sonhador e No coração da tempestade
Leilane Hardoim Simões
Edgar Cézar Nolasco

169 Digicomics: histórias em quadrinhos da Marvel on-line
Quelciane Ferreira Marucci
Edgar Cézar Nolasco

181 Estereoscopia e relação objetal em x-men: significação no quadrinho 3d
Renan Carvalho Kubota 

199 Os brasileiros (apocalípticos e integrados) que leram o Pato Donald
Rodolfo Rorato Londero

Anime Festival Party 2013 em Belo Horizonte

28 Maio

Nos dias 17 e 18 de maio aconteceu na capital mineira o Anime Festival Party e pela primeira vez consegui ir a um animecontro que não seja o Anime Friends, em São Paulo, ou no sul do país, o que faz aumentar meu conhecimento sobre esse cenário de cultura pop no país.  

Continuar a ler

Uma hora a gente tem que voltar

4 Maio

Bom, pessoal, tenho estado muito afastada do blog. Mas estou voltando!

A verdade é que o volume de trabalho me distanciou um pouco deste tipo de produção.

Só digo que ser professora substituta não é fácil! Além de diversos projetos, tive que lidar com muitas disciplinas diferentes entre si no mesmo semestre…

Continuar a ler

Os números de 2012

31 Dez

Os duendes de estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório para o ano de 2012 deste blog.

Aqui está um excerto:

600 people reached the top of Mt. Everest in 2012. This blog got about 8.800 views in 2012. If every person who reached the top of Mt. Everest viewed this blog, it would have taken 15 years to get that many views.

Clique aqui para ver o relatório completo

Homenagem do Google a Little Nemo in Slumberland

15 Out

O doodle de hoje homenageia os 107 anos de criação de “Little Nemo in Slumberland“, história em quadrinhos de Winsor McCay. Trata-se de um dos principais quadrinistas do início da arte sequencial no Ocidente.

Continuar a ler

%d bloggers like this: